Fibra de Coco para produção de Mudas de Alface

25 de agosto de 2019
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Fibra de coco para produção de mudas de alface

ANA CLAUDIA KALIL HUBER, Drª. Engenheira Agrônoma, Professora URCAMP, Bagé, RS.

O aproveitamento da casca de coco verde é viável por suas fibras serem quase inertes e terem alta porosidade, aumenta a retenção de umidade, aumenta o crescimento de raiz, e eleva a multiplicação de organismos benéficos ao solo.  Esse subproduto agrícola é fator de degradação ambiental, em função de sua distribuição difusa e alto tempo de decomposição, além disso é um produto facilmente renovável e sustentável, com isso não agride o meio ambiente.

O objetivo do experimento foi à utilização da fibra de coco para produção de mudas de alface (Lactuca sativa L.) para substituição do substrato comercial utilizado pelo produtor de mudas de hortaliças. O presente trabalho foi realizado no período do inverno em ambiente protegido numa casa de vegetação com quatro tratamentos: 100% substrato comercial ,  25% húmus de minhoca e 75% fibra de coco,  50% húmus de minhoca e 50% fibra de coco e  75% húmus de minhoca e 25% fibra de coco. A semeadura da alface foi realizada em bandejas de isopor. O fertilizante húmus de minhoca,  foi produzido no processo de vermicompostagem (esterco bovino leiteiro) realizado por minhocas da Califórnia (Eisenia foetida). As irrigações foram realizadas manualmente, usando regadores com água uma vez ao dia.

Aos 41 dias após a semeadura as mudas,  foram realizadas avaliações agronômicas e observou-se que a fibra de coco é uma alternativa agroecológica para os produtores de mudas de hortaliças, podendo ser utilizada junto com húmus de minhoca  até a proporção de 50% da mistura.

Figura 1: Produção de mudas de alface nas diferentes proporções de húmus de minhoca e casca de coco. Fonte: Huber, 2019.

Figura 2. Muda de alface com substrato a base  de  húmus de minhoca e casca de coco  pronta para o transplante. Fonte: Huber, 2019.

COMPARTILHE
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp