Ciclo Limpo: Uma alternativa ao gerenciamento municipal de resíduos orgânicos domiciliares

26 de setembro de 2018
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Resíduos gerados no município

Na cidade de Botucatu, centro oeste do estado de São Paulo, com aproximadamente 140 mil habitantes, e onde este trabalho está sendo desenvolvido, segundo estimativa do IBGE para o ano de 2017 (2010), são geradas diariamente 92 toneladas de resíduos sólidos, de acordo com o Plano Municipal de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos – PMGIRS, e a média de geração é de 0,689 kg/dia/habitante (BOTUCATU, 2016). Na composição gravimétrica dos materiais que constituem os resíduos sólidos gerados nos domicílios do município, é encontrado o seguinte cenário: 62,9% de orgânicos, 27,9% de potenciais recicláveis e 7,2% de rejeitos. E é na fração orgânica que este texto irá se concentrar.

IPTU

Geração de resíduos orgânicos

Quando se olha no contexto nacional, vê-se que a fração orgânica representa mais de 50% dos resíduos sólidos urbanos em todos os municípios (BRASIL, 2017). Analisando o contexto global tem-se uma média de 46% de resíduos orgânicos, porém essa fração varia de 64% em países de baixo grau de desenvolvimento econômico, até 28% em países onde a população possui renda média elevada (HOORNWEG; BHADA-TATA, 2012).

O que é um fato comum, é que a fração orgânica representa uma parcela significativa dos resíduos gerados em qualquer contexto, e se destinada de forma inadequada, compromete a salubridade do ambiente urbano, atraindo vetores e doenças. Quando enviada para os aterros geram gases de efeito estufa, principalmente o metano, além de representarem custos elevados para os sistemas urbanos de tratamentos de resíduos (INÁCIO; MILLER, 2009).

Assim, se faz necessário não só identificar e caracterizar diferentes modalidades de experiências em compostagem de resíduos orgânicos, a fim de incentivar novas rotas tecnológicas e estimular a diversificação dos sistemas de gestão destes resíduos nos municípios, como também, compreender como tais processos podem ser desenvolvidos para colaborar com a eficácia das ações municipais e orientar prefeituras no estímulo de diferentes atores (empresas privadas, organizações não governamentais, gestores comunitários e empreendedores sociais, por exemplo).

compostagem de resíduos orgânicos

Foco na Compostagem Doméstica

Nesse contexto, em outubro de 2016 surge o Ciclo Limpo, inspirado em modelos de gerenciamento de resíduos orgânico como o Ciclo Orgânico, na cidade do Rio de Janeiro / RJ e o Re-Ciclo, na cidade de Porto Alegre / RS. O Ciclo Limpo é um modelo de negócios baseado em adesão de pessoas ambientalmente interessadas, onde estas pagam uma mensalidade para ter seus resíduos orgânicos coletados e compostados. A proposta consiste, além dos serviços de coleta domiciliar ou comercial e compostagem descentralizada, no retorno no final de cada mês de 1 kg de composto ou uma muda de hortaliça ou tempero, de acordo com a disponibilidade (conforme escolha do cliente). Cada cliente também recebe um relatório de acompanhamento com o feedback da sua participação, incluindo a quantidade de resíduos coletados no mês, a estimativa da quantidade de composto produzido e as emissões de gases do efeito estufa evitadas.

gerenciamento de resíduos urbanos

No caso das coletas domiciliares, quem faz a adesão recebe um balde branco de 18 litros identificado com a logomarca do Ciclo Limpo, com tampa, e um saquinho de lixo biodegradável, de 30 litros, para acondicionamento dos resíduos sólidos orgânicos domiciliares. Um novo saquinho é deixado a cada coleta, que é realizada semanalmente. No caso das coletas em grandes geradores (escolas, restaurantes e lanchonetes, entre outros), as coletas são realizadas em bombonas de 30, 45 ou 50 litros, de uma a três vezes por semana (conforme demanda do local), e nas coletas são feitas as trocas das bombonas plásticas cheias de resíduos por outras vazias. Nesses casos não há a utilização de sacos de lixo.

Além da disposição adequada dos resíduos orgânicos, o Ciclo Limpo também está produzindo um insumo agrícola que não existe no mercado local, que é o composto orgânico proveniente de resíduos orgânicos gerados pela própria população. Assim, incentiva a agricultura urbana oferecendo um produto de qualidade e ambientalmente correto. Mais ainda, tem o potencial de gerar transformações sociais, principalmente através da conscientização ambiental e da quebra de paradigmas com relação aos resíduos e à valorização destes. Assim como a geração de renda e redução de custos econômicos, ambientais e sociais da prefeitura com a coleta, triagem, transporte e destinação final nos aterros sanitários.

REFERÊNCIAS

BOTUCATU. Decreto n° 10.721, de 21 de setembro de 2016. Aprova o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos – PMGIRS e dá outras providências. Semanário Oficial, Botucatu, SP, ano XXVI, 1.386-A, p. 1-94, 03 out. 2016

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Compostagem doméstica, comunitária e institucional de resíduos orgânicos: manual de orientação. Centro de Estudos e Promoção da Agricultura de Grupo, Serviço Social do Comércio. Brasília, DF: MMA, 2017.

HOORNWEG, D.; BHADA-TATA, P. What a Waste: A Global Review of Solid Waste Management. Urban development series; knowledge papers nº 15. World Bank, Washington, DC. 2012

INÁCIO, C. T.; MILLER, Paul Richard M. Compostagem: ciência e prática para a gestão de resíduos orgânicos. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico 2010. Estimativa populacional 2017. 2010.

 

JULIO RUFFIN PINHEL

Nasci em São Paulo / SP, mas moro em Botucatu / SP há muitos anos. Biólogo de formação. “Lixólogo” de coração. Formei-me em Ciências Biológicas na UNESP em Botucatu/SP (2003). Ainda nesta época a minha paixão pelos Resíduos Sólidos despertou. Especializei-me em Gestão Ambiental no Centro Universitário SENAC em São Paulo/SP (2007). Tive minhas principais experiências profissionais em organizações do terceiro setor, destacando a publicação do livro “Do Lixo à Cidadania: Guia para a Formação de Cooperativas de Catadores de Materiais Recicláveis”, que sistematizou um método de capacitação destes empreendimentos desenvolvido quando trabalhei no Instituto de Projetos e Pesquisas Socioambientais – IPESA. Outra grande experiência foi ter sido Secretário de Meio Ambiente da Estância Turística de Avaré, onde pude trabalhar a fundo a questão do gerenciamento integrado dos resíduos sólidos urbanos. Sou um dos sócio-fundadores do Ciclo Limpo e mestrando do Programa de Energia na Agricultura na Faculdade de Ciências Agronômicas na UNESP de Botucatu onde continuo estudando os Resíduos Sólidos.

COMPARTILHE
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp